movimentar Braga

(re)pensar a mobilidade

A pé, de carro, de bicicleta ou de autocarro, a forma como cada pessoa se desloca diariamente tem impacto na dinâmica urbana de cada cidade. Por este motivo, criámos o bragamove, um projeto desenvolvido para promover a mobilidade em Braga que teve como fonte de inspiração o metrominuto, um mapa que recolhe as caraterísticas da mobilidade sem motor, do projeto Pontevedra Mobilidade. A partir de redes de percursos propostos, o bragamove tem o intuito de fazer (re)pensar a mobilidade de cada um.
mapas

Consulta e descarrega aqui os nossos mapas. Os mapas são um apanhado de informação relativa ao tempo e distância entre pontos estratégicos em Braga ou de e para Braga.

mapa quadrilátero urbano
Possibilidades de percursos entre Braga e outra cidade do quadrilátero urbano, utilizando diferentes modos de transporte.

Os mapas pedonal e ciclável consideram como ponto central a Praça da República, em Braga, e têm o mesmo objetivo: mostrar possibilidades de percursos facilmente realizáveis.

mapa pedonal
Percursos com informação sobre a distância, duração e a experiência proporcionada, consoante seja mais ou menos agradável.

mapa ciclável
Percursos com informação sobre a distância, duração e declive. Este mapa foi preparado com base na utilização de uma bicicleta sem assistência elétrica.
equipa


O bragamove é um projeto desenvolvido por um grupo de bracarenses que, como pedestres, ciclistas, passageiros de transportes públicos e automobilistas, têm a ambição de repensar a mobilidade da sua cidade com responsabilidade, espírito crítico e seriedade.
O Paulo atravessa Braga de bicicleta todos os dias. As deslocações casa-trabalho sensibilizaram-no para a complexidade do problema da mobilidade, levando-o a reunir uma equipa para analisar este tema.

A Luísa é professora de Biologia e Geologia e procura contribuir para um desenvolvimento ambientalmente sustentável. Defende que todas as cidades deveriam ter uma rede de transportes públicos que pudesse, efetivamente, servir as pessoas.

O Miguel, como peão e ciclista, procura trazer a este projeto a sua experiência das deslocações diárias e ambiciona uma cidade segura e com formas de mobilidade economicamente viáveis.

O Tiago é interessado em eficiência e organização. Prefere a flexibilidade da bicicleta em relação ao automóvel para curtas distancias (8 km) e considera que um futuro com mais soluções comunitárias de mobilidade seria um incremento da qualidade de vida de todo o Bracarense.

O Jorge identificou-se com a iniciativa no primeiro instante e aproveita tanto a experiência profissional em planeamento de recursos para a rede ferroviária como o facto de residir além-fronteiras para interpretar o desempenho e os comportamentos diários de mobilidade.